Seguidores

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Entre a razão e o coração



De um jardim, em uma noite solitária sem lua, nem estrelas... 

Amado (amo, sim!),  

É tarde! É muito tarde! Diz minha razão a meu coração. Mas um perfume longínquo vem me lembrar das vezes em que fizemos amor; de tuas palavras me falando ternamente; até de teus conselhos...  
Ó meu amor! Que saudade infinda me trazem as horas caladas da noite! Os minutos do relógio em sutis passadas remexem meu ser... cheiro dos sorvetes; sons de onomatopéias em meus ouvidos; minha alma tremendo ao toque de tuas mãos... Não me abandones... Não me deixes nessa solidão... num amor sem rumo!...  
Bem me avisou minha razão para eu não entregar meu coração. Tola! Tola! Sinto agora o amor em cada célula, a correr em mim como o sangue das veias... E viaja em todos os caminhos de meu corpo sussurrando teu nome... 
Não vês que meus versos são teus? Que sou tua Maria? Não te lembras de minha carta cheia de sedução na qual eu me declaro a ti? Corre os pensamentos na tua memória e faze em flip... flop... flap... um sugestivo som de uma flor a ti chamar na noite... 
Oh! Não deixes minha razão vencer! Dize a mim que não é tarde. “Ainda sou tua Maria.” Abre em tua casa a janela do quarto e sente o perfume de minhas pétalas...! Estou aqui a ti esperar... 

Beijo...  

P.S. Deixei na mensagem instantânea a mesma flor de sempre, com aquele coraçãozinho...

Um comentário:

Chica disse...

Que linda e sempre apaixonada carta!beijos,linda noite,chica