Seguidores

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Caríssimo,

O silêncio. Não gosto deste silêncio teu. Soa como estar esperando por algo que não vem, que não tive... Ah, tenho medo de o silêncio durar uma vida. E tapo os olhos para não ver o que me sugere teu silêncio...
Mas mudemos de assunto. Sabe, tenho dado ultimamente a andar como um autônomo. As folhas passam pelas calçadas levadas pelo vento. Vez em quando sinto que ele me leva e vou. Não há perfume por onde passo. Sinto o enfraquecer da tarde no fim de novembro. E sou apenas um ser que passa, sem sentir o sangue do sol (meu corpo está adormecido) alegre do Nordeste.
Confesso que me assusto. Toda a minha vida eu fugi do vento, pois ele parecia ler meus pensamentos. Coisa de quem vive trancada num mundo interior. Acho mesmo que devia era ser folha. Eu podia sair por aí... numa animação de quem voa sem ter asas.
Engraçado é que estou o tempo todo a procurar de me lembrar de uma coisa que me aconteceu quando eu era criança. Sei que era verão. Como hoje. Eu subi numa árvore e estendi os braços. Eu procurava uma corrente de vento forte e ela não veio. Estava tudo tão quieto... (lê bem baixinho: Era como este teu silêncio). As folhas até caíam bailando ao chão, mansamente, mansamente. Que podia eu fazer na ocasião? Desci da árvore e voltei triste para casa. E... eu não quero desistir de ti.
São quase dezoito horas. Agora o sol já se foi descorado... Como se estivesse debaixo de alguns pensamentos tristes. Isso é curioso... Eu jurava que ele estava a rir... procurando me chamar para um pouco de calor! Bem, eu podia aproveitar a noite chegando e ir olhar se tem luar...

2 comentários:

Sônia Silvino disse...

Teresa querida!
Tua presença nos meus blogs e o teu carinho conquistaram o meu coração.
Vim ler as novidades e te deixar uma oração!

ORAÇÃO DA FÉ

Que Deus te cuide com carinho,
que te indique o melhor caminho,
que te ensine sobre o verdadeiro amor,
que te perdoe quando preciso for.


Que Deus te dê asas para voar,
nos sonhos te ajude a pousar
mas, também, te mostre a realidade
que terás que enfrentar sem nunca, por nada, recuar.


Que Deus te dê forças para encarar
tudo aquilo que não tens como mudar
ou sequer adulterar.


Que Deus te dê saúde,
que teu corpo, por dentro, nunca mude
e que ao envelhecer tu possas dizer
que tua maior felicidade foi viver.


Que Deus te mostre com clareza
a grande e real beleza de um jardim florido,
de um bom livro,de uma poesia que fale de saudade,
de uma calma paisagem.


Que Deus te faça compreender
porque amanhece antes de anoitecer,
porque o sol se esconde quando a lua quer brilha
e porque o sol brilha quando ela vai descansar.


Que Deus te faça ver
que no sorriso de uma criança
mora toda a esperança que tanto precisas pra viver.


Que Deus faça de ti um ser sensível,
que seja capaz de chorar
sem jamais se envergonhar.


Que Deus possa te mostrar
que cada onda do mar
devolve tudo que ousa levar,
afinal não tem intenção de roubar o que em terra deve ficar.
Que Deus te ensine sobre a dignidade,
sobre a força e a fragilidade,
sobre a coragem e a honestidade.


Que Deus te ofereça amigos verdadeiros
e que tu saibas cultivar
cada amizade que em tua vida Ele plantar.


Que Deus te ensine a fé,
que te faça crer em Jesus,
e que te permita aceitar
que por pior que seja a cruz
que tenhas que carregar
com o peso que teve a Dele
nunca será.
________________________
Silvana Duboc
________________________
Beijoquinhas, muitas!
Sônia Silvino's Blogs

Luis Nantes® disse...

Muito lindo seu texto, tá? Parabéns!!
Beijos